A resiliência do oprimido e a emergência do movimento da economia solidária – Uma questão de esperança

Helena Ralha-Simões, Rosanna Barros

Resumo


Neste artigo, abordamos a Pedagogia-educação Social do oprimido, na ótica de Paulo Freire relacionando-a com a emergência do Movimento da Economia Solidária, equacionando esta questão à luz da noção de resiliência, cientes de que tal reflexão pode dar um importante contributo para perspetivar as suas particularidades e condicionantes, bem como a avaliação dos seus resultados. A libertação do estado de opressão não acontece isoladamente, uma vez que o homem é um ser social, inserido nas múltiplas dimensões conflituais da sociedade, palco onde a conscientização e a transformação social se operam. É neste contexto, que a emergência do Movimento da Economia Solidária abre importantes perspetivas. Com efeito, é essencial ter presente que a liberdade que o oprimido deseja e que o irá libertar dessa condição de adversidade em que mergulha juntamente com o seu opressor, tem que ser conquistada por seu próprio esforço resiliente e em comunhão com os outros; tal como afirmou Paulo Freire, “ninguém liberta ninguém e ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão”.

Palavras-chave: Resiliência do Oprimido. Economia solidária. Pedagogia-educação Social. Resistência e emancipação. Transformação e transição societal.

The resilience of the oppressed and the emergency of the movement of the solidarity economy. A matter of hope

Abstract

In this article, Social Education-Pedagogy of the Oppressed is approached from the viewpoint of Paulo Freire, linking this issue to the emergence of the Solidarity Economy Movement; we also intend to equate this issue in the light of the concept of resilience, since it would help to understand their main characteristics and constraints as well as the evaluation of his results. The liberation from oppression does not happen by itself, since man is a social being inserted in the multiple dimensions of a conflictual society, where awareness and social transformation takes place. Indeed, it is essential to bear in mind that Oppressed’s freedom, that will release him from adversity condition that is plunging him, but also his oppressor, must be conquered by its own resilient effort and in the framework of communion with others; as Paulo Freire said, "no one liberates anyone and no one liberates himself: men are freed together with each other".

Keywords: Resilience of the oppressed. Solidarity economy. Social Education-Pedagogy. Resistance and emancipation. Societal transformation and societal transition.


Palavras-chave


Resiliência do Oprimido. Economia solidária. Pedagogia-educação Social. Resistência e emancipação. Transformação e transição societal.

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referências


Antunes, F. e Barros, R. (2014). Reconstruir o espaço de ação educacional ou localizar problemas escolares? Interrogações a partir de uma pesquisa exploratória. In M. J. de Carvalho, A. Loureiro e C.A. Ferreira (Orgs). Atas do XII Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação - As Ciências da Educação: Espaços de investigação, reflexão e ação interdisciplinar (pp.1144-1160). Vila Real: UTAD-Universidade de Trás-os-Montes e Douro.

Arendt, H. (1968). The Origins of Totalitarism. New York: Harcourt Brace Jovanovich.

Barros, R. (2011). Genealogia dos conceitos em educação de adultos: Da educação permanente à aprendizagem ao longo da vida – Um estudo sobre os fundamentos político-pedagógicos da prática educacional. Lisboa: Chiado Editora.

_____. (2014a). Vida e obra de Paulo Freire: a dialética de um olhar fundador para uma educação problematizadora que liberta, transforma e emancipa. In R. Barros e D. Choti (Orgs.). Abrindo caminhos para uma educação transformadora - Ensaios em educação social, filosofia aplicada e novas tecnologias (pp. 37-94). Lisboa: Chiado Editora.

_____. (2014b). Ensaio sobre pedagogia-educação social: pensar as repercussões da filosofia político-pedagógica de Paulo Freire. Cadernos do GREI n.º 20 (e-book) Acedido em 1-11-2015 em http://www.grei.pt.

Brandão, J. M. (2009). Resiliência: de que se trata? O conceito e as suas imprecisões (Tese de mestrado). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Brandão, J. M., Mahfoud, M. e Gianordoli-Nascimento, I. F. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paidéia (Ribeirão Preto), 21(49), 263-271. Acedido em 1-2-2016 em http://www.scielo.br/pdf/paideia/v21n49/14.pdf.

Cyrulnik, B. (2003). Resiliência: essa inaudita capacidade de construção humana. Lisboa: Instituto Piaget.

Flores, L. G. G. (2014). Resiliência jurídica: para pensar a inovação do Direito a partir de uma perspectiva sistêmica. (Tese de doutoramento). São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio de Sinos – UNISINOS.

Freire, P. (1976). Educação como Prática da Liberdade (6ª edição). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_____. (1980). Conscientização. São Paulo: Moraes.

_____. (1987). Pedagogia do Oprimido (11.ª ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_____. (2001). Pedagogia da Esperança – Um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Grant, C. e Gibson, M. (2013). “The path of social justice”: A human rights history of social justice. Education, Equity & Excellence in Education, 46(1), 81-99.

Infante, F. (2005). A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. In A. Melillo e E.N.S. Ojeda (Org.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas (pp. 23-38). Porto Alegre: Artmed.

Jessop, B. (2007). State power: A strategic-relational approach. Cambridge: Polity Press.

Laranjeira, C. A. S. de J. (2007). Do vulnerável ser ao resiliente envelhecer: revisão da literatura. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(3), 327-332.

Lucas, J. (2002). La exclusión como negativo de los derechos humanos. Sobre la relación entre el processo de globalización y la universalidade de los derechos humanos. In C. Ortega e M.J. Guerra (coord.). Globalización y Neoliberalismo: um futuro inevitable? (pp. 71-96). Oviedo: Ediciones Nobel.

Martins, M. e Barros Araújo, F. M. de (2013). Pedagogia social e resiliência: diálogos possíveis. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 21(45), 1-11. Acedido em 12-03-2016 em http://epaa.asu.edu/ojs/article/view/1353

Mills, W. (1975). A Imaginação Sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Montaño, C. (2012). Pobreza, “questão social” e seu enfrentamento, Serviço Social, 110, 270-287.

Murcho, N., Jesus, S. N. e Pacheco, E. (2014). Resilience factors in nurses. In M. Milcu, J. Achim e S.N. Jesus (Eds.), Individuals, social and work groups, organizations: Modern Researches in Applied Psychology (pp. 169-180). Bucharest: Editura Universitara. doi: 10.5682/9786062800130.

Namorado, R. (2009). Para uma Economia Solidária – a partir do caso português. Revista Crítica de Ciências sociais, 84, 65-80.

Oliveira, J. B de e Lipp, M. E. (2009). Resiliência e controle de stress em juízes e servidores públicos. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 77(2), 287-305. Acedido em 3-2-2010 em http://redalyc-uaemex.mx/src/inicio/ArtPDFRead.jsp?iCve=94612368007.

Poggi, G. (1990). The state. Its nature, development and prospects. Cambridge: Polity Press.

Poletto, M. e Koller, S. H. (2008). Contextos ecológicos: promotores de resiliência, fatores de risco e de proteção. Estudos de Psicologia, 25(3), 405-416.

Ralha-Simões, H. e Simões, C. M. (1998). Resiliência e tarefas de desenvolvimento: a educação e as diferentes etapas da vida. Psicologia, Educação e Cultura, 2(2) 345-360.

Ralha-Simões, H. (2001). Resiliência e desenvolvimento pessoal. In J. Tavares (Org.). Resiliência e educação (pp. 95-114). São Paulo: Cortez Editora.

_____. (2014a). A construção da pessoa resiliente: dos contextos de desenvolvimento à psicologia positiva. Cadernos do GREI, 8, (e-book). Acedido em 1-12-2015 em http://www.grei.pt

_____. (2014b). Que caminhos para a resiliência? Dos equívocos e controvérsias às promessas ainda por cumprir OMNIA, 1, 5-13. Acedido em 26-10-2015 em http://omnia.grei.pt

_____. (2014c). Resiliência e profissionalidade: a competência do professor enquanto contributo para uma nova perspetiva. Cadernos do GREI n.º18 (e-book). Acedido em 28-12-2015 em http://www.grei.pt.

_____. (2016). A resiliência nas encruzilhadas do futuro: um conceito interdisciplinar ainda à procura de um rumo. In H. Ralha-Simões (Org.). Percursos de resiliência: novos desafios entre a esperança e a desilusão. Lisboa: ExLibris (no prelo).

Rangel, M. e Sousa, C. S. (2014). Resiliência, saúde e educação: Uma revisão de literatura das publicações periódicas brasileiras de 2009-2013. OMNIA, 1, 39-44. Acedido em 6-12-2014 em http://omnia.grei.pt

Silva, L. E. da e Guzzo, R. S. L. (2009). Análise teórica sobre os conceitos de resiliência, consciência e a vida no capitalismo. Pontifícia Universidade de Campinas - Anais do XIV Encontro de Iniciação Científica da PUC – Campinas: 29 e 30 de setembro de 2009. Acedido em 17-03-2016 em https://www.puc-campinas.edu.br/websist/portal/pesquisa/ic/pic2009/resumos/%7B7576EA6D-4D51-48A7-B25D-951AFF4E20EE%7D.pdf

Simões, C. M. e Ralha-Simões, H. (1999). Contextos de desenvolvimento e teorias psicológicas. Porto: Porto Editora.

Sousa, C., Miranda, F., Nieto, M. C. L. e Dores, R. (2014). Educação para a resiliência. Revista Conhecimento & Diversidade, 11, 26-40. Acedido em 7-12-2015 em http://revistas.unilasalle.edu.br~

Sousa Santos, B. (2005). A crítica da governação neoliberal: O Fórum Social Mundial como política e legalidade cosmopolita subalterna. Revista Crítica de Ciências Sociais, 72, 7-44.

_____. (2000). Crítica da razão indolente, A - contra o desperdício da experiência. Porto: Edições afrontamento.

_____. (2002). Os Processos da Globalização. In B. de Sousa Santos (Org.). Globalização - Fatalidade ou utopia (pp. 31-106). Porto: Edições Afrontamento.

_____. (1999). Porque é tão difícil construir uma Teoria Crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais, 54, 197-215.

Souza, M. T. S. e Ceverny, C. M. O. (2006). Resiliência psicológica: revisão de literatura e análise de produção científica. Revista Interamericana de Psicologia, 40(1), 119-126. Acedido em 12-12-2015 em www.psicorip.org/Resumos/PerP/RIP/RIP036a0/RIP04013.pdf

Taboada, N. G., Legal, E. J. e Machado, N. (2006). Resiliência: em busca de um conceito. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(3), 104-113.

Tavares, J. (2001). A resiliência na sociedade emergente. In J. Tavares (Ed.). Resiliência e educação (pp. 43-75). São Paulo: Cortez Editora.

Wolin, S. J. e Wolin, S. (1994). The resilient self: how survivors of trouble families rise above adversity. New York: Villard Books.

Yunes, M. A. M. e Szymanszi, H. (2001). Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In J. Tavares (Ed.). Resiliência e educação (pp. 13-42). São Paulo: Cortez Editora.

Yunes, M. A. M. (2003). Psicologia positiva e resiliência: O foco no indivíduo e na família. Psicologia em Estudo, 8 (n.º esp.), 75-84.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/rcd.v8i16.3265

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PORTAIS & INDEXADORES:

Academic IndexAcademic IndexAcademic Index