É possível ensinar a genética para alunos cegos?

Mauro Luiz da Hora Faria, Janilda Pacheco da Costa, Cristina Delou, Gerlinde Agate Platais Brasil Teixeira

Resumo


O uso de modelos tridimensionais é uma estratégia que facilita ensinar temas considerados difíceis para muitos professores no ensino médio, mesmo para classes que não têm alunos com necessidades educacionais especiais. Tivemos como objetivo, portanto, desenvolver um modelo tátil que auxiliasse na compreensão da estrutura do DNA e de sua replicação. Para tanto, adaptamos os passos descritos por Miotto para a construção de modelos táteis. O resultado foi a construção da matriz e das estruturas básicas da molécula de DNA, em papelão coberto com diferentes texturas. As placas de acetato em alto relevo foram preparadas após a aprovação por um aluno cego, que informou que a escala e as texturas escolhidas possibilitaram a identificação da estrutura como um todo e de suas partes, que foram testadas e aprovadas por alunos cegos na sala de recursos de uma Escola Pública Estadual.

Palavras-chave: Construtivismo. Linguagem da ciência e da sala de aula. Ensino de ciências. Educação especial. Genética.

Teaching genetics to blind-students – is it possible?

Abstract

The use of three-dimensional models is a strategy that facilitates teaching contents considered difficult for many high school teachers even in classes that do not have students with special educational needs. Our objective was to develop a tactile model that helps the understanding of the DNA structure and its replication. To achieve this, we adapted the steps proposed by Miotto for the production of tactile models. As a result, we constructed the matrix of the basic structures of the DNA molecule in cardboard covered with different textures. After approval by a blind student, who reported that the scale and textures chosen allowed identification of the structure as a whole and its parts, we prepared the high relief acetate plates. These were tested and approved by blind students in the “resource class” of a State Public School.

Keywords: Constructivism. Science and classrooms language. Science education. Special education. Genetics.

Palavras-chave


Construtivismo. A linguagem da ciência e da sala de aula. Ensino de ciências. Educação especial. Genética.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTS, B. et al. Molecular biology of the cell. 4th. New York: Garland Science, 2002.

ALVES, D. D. O. Experiências educacionais inclusivas: refletindo sobre o cotidiano escolar. In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Ed.). Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: MEC, 2006. p. 15-26.

BARRETO, C. M. B.; TEIXEIRA, G. A. P. B. Concepções prévias de universitários sobre o sistema imunológico. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Paraná, v. 6, n. 1, p. 1-18, jan./abr. 2013.

BERG, J. M.; TYMOCZKO, J. L.; STRYER, L. Biochemistry. 5th edition. New York: W H Freeman, 2002.

BIANCHINI, J. A.; CAVAZOS, L. M.; HELMS, J. V. From professional lives to inclusive practice: science teachers and scientists' views of gender and ethnicity in science education. Journal of Research in Science Teaching. USA, v. 37, n. 6, p. 511-547, ago. 2000.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 jul. 1990.

_____. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. p. 27833.

BROWNING, M. E.; LEHMAN, J. D. Identification of student misconceptions in genetics problem solving via computer program. Journal of Research in Science Teaching. USA, v. 25, n. 9, p. 747-761, dec. 1988.

CARVALHO, E. N. S. de. Adaptações curriculares: uma necessidade. In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEED (Ed.). Salto para o futuro: tendências atuais. Brasília: MEC, 1999. p. 51-58.

DAVENPORT, J. L. et al. When do diagrams enhance learning? A framework for designing relevant representations. In: PROCEEDINGS OF THE 8TH INTERNATIONAL CONFERENCE OF THE LEARNING SCIENCES, 8, 2008, Utrecht, The Netherlands. Anais…Utrecht, The Netherlands: International Society of the Learning Sciences, 2008 p. 191-198.

DO-IT. The Winning equation: access + attitude = success in math and science. DO-IT - Disabilities, Opportunities, Internetworking, and Technology, Washington, 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2012.

EDLER CARVALHO, R. Integração e inclusão: do que estamos falando? In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEED (Ed.). Salto para o futuro: tendências atuais. Brasilia: MEC, 1999, p. 35-44.

FIGUEIREDO, R. V.; ROSA, D. E. G. E. S.; CAMILO , V. Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2002.

FRIEDRICHSEN, P. J. et al. Does teaching experience matter? Examining biology teachers' prior knowledge for teaching in an alternative certification program. Journal of Research in Science Teaching. USA, v. 46, n. 4, p. 357-383, apr. 2009.

GOFFREDO, V. L. F. S. Educação: direito de todos os brasileiros. In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - SEED (Ed.). Salto para o futuro: tendências atuais. Brasília: MEC, 1999, p. 67-72.

LEWIN, B. Genes VII. Porto Alegre: Artmed editora, 2001.

LIPSKY, D. K.; GARTNER, A. Inclusion, school restructuring, and the remaking of American society. Harvard Educational Review. Massachusetts, v. 66, n. 4, p. 35, dec. 1996.

MANOEL, V. A. et al. Recursos didáticos e tecnológicos da educação especial aplicados a EAD. In: 4º SEMINÁRIO NACIONAL DA ABED DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 2006, Brasília. Anais... Brasília: Associação Brasileira de Educação à Distância, 2006, p. 1-10.

MATURANA, H. R. Reality: The search for objectivity or the quest for a compelling argument. The Irish Journal of Psychology, Ireland, v. 9, n. 1, p. 25-82, jan./may. 1988.

MIOTTO, A. C. F. As práticas curriculares no contexto da sala de aula inclusiva: avanços e impasses na inclusão dos educandos com deficiência visual. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 4, n. 1, p. 34-49, maio 2010.

_____; ALMEIDA, D. C. S.; ARRUDA, L. M. S. Prática de ensino de geografia no contexto do curso de qualificação de professores na área de deficiência visual. Revista Benjamin Constant, Rio de Janeiro, v. 48 p. 1-12, abr. 2011.

OLIVEIRA, M. M. B. C. Ampliando o olhar sobre as diferenças através de práticas educacionais inclusivas. In: SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL (Ed.). Experiências educacionais inclusivas - Programa de Educação Inclusiva- direito à diversidade. Brasília: MEC, 2006. p. 131-138.

PEDRANCINI, V. D. et al. Ensino e aprendizagem de biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, Espanha, v. 6, n. 2, p. 299-309. , maio/ago. 2007.

REA, P. J.; MCLAUGHLIN, V. L.; WALTHER-THOMAS, C. Outcomes for students with learning disabilities in inclusive and pullout programs. Council for Exceptional Children, Virginia - USA, v. 68, n. 2, p. 203-223, dec. 2002.

RIBEIRO, L. H. N.; OLIVEIRA, A. L. Experimento de baixo custo no ensino de absorção de calor sob a perspectiva inclusiva. In: XIX SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA – SNEF, 9, 2011, Manaus. Anais... Manaus: Sociedade Brasileira de Física (SBF), 2011, p. 1-6.

ROTBAIN, Y.; MARBACH-AD, G.; STAVY, R. Effect of bead and illustrations models on high school students' achievement in molecular genetics. Journal of Research in Science Teaching. USA, v. 43, n. 5, p. 500-529, may 2006.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Unesco. Brasília, 1994. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18316/rcd.v8i16.1778

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


PORTAIS & INDEXADORES:

Academic IndexAcademic IndexAcademic Index